Notícias

“Educação não é encher um balde, mas acender uma chama.” Essas palavras do poeta irlandês W. B. Yeats inspiraram a cerimônia de formatura da 7ª edição do programa Santos Jovem Doutor. No palco do Teatro Guarany, um dos locais mais tradicionais da história de Santos, 100 estudantes do 9º ano de 16 escolas municipais, vestidos com os tradicionais jalecos brancos da medicina, participaram do evento, dia 11 de novembro, onde cada um portou uma vela acesa pelas chamas distribuídas pelos professores.

Foi o marco da certificação dos estudantes com 3 anos de atuação, que iniciaram sua formação no Jovem Doutor durante seu 7º ano de ensino fundamental. A ação, fruto de parceria entre a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e as Secretarias de Saúde e Educação de Santos, foi idealizada pelo Prof. Chao Lung Wen, chefe da Disciplina de Telemedicina da FMUSP. O programa realiza ações de valorização da ciência, prevenção e promoção da saúde, além de incentivar a cidadania e as relações interpessoais.  

“O Jovem Doutor é inovador na formação dos estudantes”, comenta o Prof. Chao. Nele, os participantes aprendem através de imagens tridimensionais do corpo humano, recursos de computação gráfica, educação a distância e outros recursos, a fim de tornarem-se multiplicadores dos conhecimentos trabalhados. “É uma educação vivencial e sócio-emocional em saúde, que desenvolve maturidade crítica, curiosidade e pesquisa, criatividade, comunicação, segurança e atitude”, diz o educador.

Reconhecimento

O Prefeito de Santos, Rogério Santos, recebeu, dia 16 de novembro, os alunos do Jovem Doutor que foram premiados na I Mostra Científica do Instituto Butantan, além de levá-los pessoalmente para conhecer diversas áreas da prefeitura.

A Mostra, que abordou os desafios da Saúde Pública no século XXI, selecionou nove trabalhos de alunos do projeto, além de conceder aos jovens santistas a primeira e a segunda colocação em uma das categorias.

“Fato importante é que os alunos da primeira colocação foram do 7º ano (primeiro ano de Jovem Doutor) e de uma área humilde da cidade”, diz o Prof. Chao. “Isso demonstra a característica inclusiva do Jovem Doutor e a possibilidade de revelar talentos a partir do estímulo à criatividade.”